Eliana comemora 25 anos de carreira e alfineta: “quem duvidou teve que engolir”

29/10/2013 00:01
 
Prestes a completar 40 anos de idade, Eliana já pode ser considerada uma veterana na televisão brasileira. São 25 anos de carreira intercalados em duas das maiores emissoras do país, o SBT e a Record. Essa trajetória, porém, nem sempre foi tranquila. Em entrevista ao Jovem Pan Morning Show, a apresentadora revelou que passou por um período de crise quando deixou de comandar programas para o público infantil e passou a se comunicar com o adulto – o que ela considera ser um “divisor de águas” em sua vida.
 
 
“Fiz 16 anos de programas para crianças e depois passei para os adultos. Não foi fácil. Fico feliz hoje quando me falam que sou uma comunicadora de auditório, porque, no início, as pessoas duvidavam. Poucos acreditavam em mim. Será que ela consegue? Será que segura a onda? Fiquei oito meses fora do ar na época. Fiz terapia, fiz fono. Precisei me reinventar, me redescobrir. Foi um grande desafio e continua sendo”, contou.

“Mas aí o programa estreia em segundo lugar, fica muito bem por quatro anos, e recebo uma ligação do Silvio Santos para voltar à emissora dele. Maravilhoso é pouco, nem sei o que senti na hora. Quem duvidou teve que engolir, a resposta está dada”, completou.
A loira está atualmente à frente do programa de auditório Eliana, exibido aos domingos no SBT. Apesar de ter saudade da época em que trabalhava com os pequenos, ela garante que não pretende voltar. “Minha ligação com crianças, hoje, está só lá em casa”, brincou em referência ao filho Artur, de 2 anos, do casamento com João Marcelo Bôscoli.

 

Longe das telinhas, Eliana possui outra faceta pouco conhecida pelo público. Ela é dona da Master Books, editora de livros que tem obras como O Palhaço, de Selton Mello, e Cegueira, um Ensaio, de Fernando Meirelles, no catálogo. Aproveitando-se desse seu outro lado, não ficou em cima do muro e entrou na discussão da polêmica das biografias.

 
“Sou democrata. Para mim, censura é retrocesso. A liberdade está aí para todos. Sou a favor das biografias não autorizadas, sim, não só como editora, mas como cidadã. Todos têm direito de contar histórias. Quem se sentir atingido, pode falar que não gostou, mas depois. Ninguém tem o direito de tirar um livro do contato com o público. Posso ser biografada a qualquer momento. Se quiserem, podem fazer”, disse.

 
 
Ainda durante a conversa, a apresentadora falou sobre sua relação com Silvio Santos, sobre a brincadeira que fez com Danili Gentili em um de seus últimos programas e sobre a responsabilidade de substituir Hebe Camargo no cargo de madrinha do Teleton. 
 
 
Publicado por Jovem pan em 28/10/2013